Q uando estamos fora da direção de Deus, nossa tendência é ficar em Mísia mesmo, e dizer: -“Não dá nada não”. Hoje vamos aprender com...

Espere A Direção Em Trôade


Quando estamos fora da direção de Deus, nossa tendência é ficar em Mísia mesmo, e dizer: -“Não dá nada não”. Hoje vamos aprender com Atos 16 o valor da direção de Deus.
Quando as portas se fecham por todos os lados, sempre haverá uma estrada para Trôade. Em Trôade nos espera Lucas e Deus te dá uma visão. Atos 16.6
O que significa esta passagem para minha vida?
Por vezes somos assaltados pelo sentimento chamado precipitação. Sempre ocorre em momentos de grande estresse ou euforia. No caso de Paulo, percebemos sua inflexibilidade quando Barnabé queria dar outra oportunidade ao jovem João Marcos, Paulo não. Houve tamanha contenda que os fizeram tomar caminhos diferentes. Primeiramente Paulo sai visitando algumas igrejas e entregando as cartas de Jerusalém como combinado em convenção. Entretanto, quando o trabalho termina, Paulo me parece de cabeça quente e fora da direção de Deus. 
Paulo tinha um projeto no coração. Era um projeto legítimo de implantar igrejas na Ásia Menor, entretanto até os projetos legítimos necessitam ser feitos debaixo da direção de Deus. Em Antioquia da Pisídia, Paulo deve ter contemplado a grande estrada imperial que ia para o oeste, para a província romana da “Ásia”. Era uma região com muitas cidades. Paulo entende ser “de Deus” tomar a estrada para oeste, para dentro da “Ásia”. Mas sem rodeios, Lucas informa que Paulo e Silas foram “impedidos pelo Espírito de Deus de pregar a palavra na Ásia”. 
E agora? O que fazer? Voltam-se para nordeste, e “percorrem a Frígia e a região gálata”. 

“Sim, Jesus de fato é “Senhor”, a ponto de nos fazer esperar, também quando achamos que temos de saber urgentemente o que deve acontecer em seguida”. (Comentário Esperança)

A expressão “percorrer” em Atos significa que empreenderam a atividade evangelística naquele lugar, entretanto não lemos uma só palavra sobre o fruto desse trabalho, nem uma alma sequer.
Daí resolveram virar para o lado da província da “Mísia” e mais uma vez foram impedidos de ir nessa direção. Voltam-se à direção nordeste de novo e tentam ir para Bitínia”. “Ah! Agora vai!” Esta é a região costeira do Mar Negro, tem cidades boas como Nicéia, Nicomédia, Calcedônia, Bizâncio...” -“Mas o Espírito de Jesus não o permitiu”. E agora? Que direção tomar? Sim, até Paulo, o grande apóstolo da igreja, como homem que era, de cabeça quente, havia tomado uma decisão errada lá atrás, agora sofria a consequência. Rodando como barata tonta, parecia tão difícil reencontrar-se com o centro da vontade de Deus.

As portas estavam fechadas de um e outro lado, mas tinha uma estrada aberta para seguir. Essa estrada atravessava a província da Mísia, o final dela era a cidade de Trôade – a antiga Tróia – diante do mar e no fim de qualquer caminho viável. Quantas vezes às portas estão fechadas e nos sentimos desanimados e nem queremos prosseguir, porque achamos que será o fim. E não estamos enganados, será o fim mesmo. Mas é o fim do nosso “achismo” e o começo da nossa dependência de Deus. A estrada para Trôade era a estrada para o fim. Não temas, leitor, ainda que todos estejam dizendo que agora será o teu fim. Você não pode desistir aí, antes de Mísia. Tome a estrada para Trôade. Deus inúmeras vezes já levou seus filhos ao “fim”, ao ponto que qualquer possibilidade pessoal estava vedada e restava unicamente uma surpreendente solução da parte do próprio Deus. É ali que Deus nos faz entender o valor da sua direção.

Interessante notar como a narração pela primeira vez em Atos passa a ser na primeira pessoa do plural: -“nós”- (At 16.10-17; 20.5; 21.18; 27.1-28.15). É um recurso literário e estilístico de poder impactante. O escritor Lucas usa para dizer que agora ele faz parte da comitiva. Sim, em Trôade nos espera Lucas. O que parece o nosso fim, para Deus é apenas o começo, por isto ele já preparou um “Lucas” para te ajudar quando você chegar em Trôade. Como diz meu pastor presidente, Reginaldo Ribeiro: “Há pessoas que outras pessoas nos apresentam, mas têm pessoas que o próprio Deus nos apresenta”.

Uma vez em Trôade, a preciosa direção de Deus é revelada. Sim, é em Trôade que Deus nos dá uma visão. “À noite, sobreveio a Paulo uma visão na qual um varão macedônio estava em pé e lhe rogava, dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos!”

Glória a Deus!

Por vezes somos levados à uma situação extrema. Até parece insuportável. Mas quando chegamos à direção de Deus, percebemos que valeu a pena. E que vale a pena não sair mais dela.

Na terceira viajem missionária, agora na direção de Deus, Paulo volta ao continente, mas à capital Éfeso, e em dois anos toda a Ásia ouviu falar do nome Jesus, e muitas igrejas foram abertas. Na direção de Deus, nossos projetos ganham vida.

Mais tarde Paulo escreve pedindo João Marcos, dizendo que ele era muito útil no ministério. Como é diferente um homem de Deus na direção de Deus.