A primeira característica de uma seita é se proclamar a “única e verdadeira representante de Deus na terra”. Desta sorte, ou má sorte, m...

O Obreiro Do Tipo “Representante Exclusivo”



A primeira característica de uma seita é se proclamar a “única e verdadeira representante de Deus na terra”. Desta sorte, ou má sorte, muitos obreiros estão a um passo de se tornarem movimentos contraditórios ou até mesmo sectários. Até parecem o pássaro Quero-Quero. - Eu sempre levava meu filho na beira do Rio Paranapanema para brincar com aquelas valentes aves. Brincadeira para nós, porque para eles era coisa séria. Apesar dos seus voos rasantes arrancarem gargalhadas do Davi, eu sabia – eles não aceitavam a gente no seu território. Debaixo de suas asas tem uma espécie de ferrão que usavam para nos intimidar. Tem muito obreiro territorialista se achando o “representante exclusivo” de Jesus em sua comunidade.


“O obreiro do tipo “representante exclusivo” vive como se não houvesse mais trabalho a ser feito. – Mas o Espírito Santo não loteia almas”!

Porque o “representante exclusivo” acha que não há mais trabalho a ser feito?

A tese deste tipo de obreiro é que todos do seu bairro ou cidade já ouviram a Palavra. E já que este tipo de obreiro se sente o delegado de Jesus no pedaço, não respeita outros obreiros que queiram fazer a obra na sua área. 

É um engano achar que não há mais almas a serem resgatadas pelo poder do Evangelho. Mas o “representante exclusivo” não pode dar conta do recado sozinho, não faz direito e não quer deixar ninguém fazer.

Em II Tm 4.1,2 Paulo brada para Timóteo: “-Eu te encorajo solenemente, na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, por ocasião da sua manifestação pessoal e mediante seu Reino: Prega a Palavra, insiste a tempo e fora de tempo, aconselha, repreende e encoraja com toda paciência e sã doutrina”. E nos versículos 15 e 16: “Dedica-te plenamente ao cumprimento dessas responsabilidades, para que todos possam testemunhar o teu progresso”. O obreiro precisa ter visão de Reino. Entender que o Espírito não loteia regiões geográficas, não nomeia exclusivos representantes e não deixa de trabalhar só porque um determinado grupo acha que já evangelizou toda uma região e diz que não há mais trabalho a ser feito.

Que nunca nos achemos perseguindo a obra de Deus, mesmo que este obreiro não pertença à minha “panelinha eclesiástica”. E que nunca sejamos peças ornamentais em nossa sociedade, mas que possamos orar as palavras do salmista em Sl 40.9 : “-Às multidões anunciei os teus atos de justiça, pois meus lábios não se puderam conter, como tu mesmo sabes, ó Eterno”.