C omo entender uma pessoa que faz sempre as mesmas coisas, e quer resultados diferentes? Em plena crise Acaz resolveu repetir o pecado ...

Semeando Em Terra Fértil


Como entender uma pessoa que faz sempre as mesmas coisas, e quer resultados diferentes? Em plena crise Acaz resolveu repetir o pecado de Adão e Eva. Tomou do fruto da árvore que Deus pediu fosse consagrada.

Israel estava humilhado e em terrível aperto. (2 Cr 28.19-21) Mas no meio daquela miséria, tinham a oportunidade de prosperar em tempo de crise. A Promessa do Deus de Israel nunca deixou de estar de pé. Entretanto no v.21 Acaz toma o que era para a casa do Senhor e usa para cobrir suas despesas, achando que isto ia resolver seu problema. Daí Esdras explica didaticamente assim: “Porém isso não o ajudou”. Falo com você que achou que sonegando o dízimo do Senhor, amortizaria os problemas com o recurso extra, “porém isso não o ajudou”. O v.20 explica que isso o “pôs em apertos em vez de fortalecê-lo”. O v. 22 diz que: “No tempo da sua angústia, cometeu ainda maiores transgressões contra o Senhor”. A crise continuou até a morte do rei tolo. 

O novo rei, Ezequias, assumiu uma terra miserável, aterrorizada e espantada (29.8). Mas Ezequias disse: “Agora, estou resolvido a fazer aliança com o SENHOR, Deus de Israel...” (v.10). Ele mandou os correios anunciar de cidade em cidade: “Filhos de Israel, voltai-vos ao SENHOR, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel...” (2 Cr 30.6) “Porém riram-se e zombaram dele” (v. 10) “Todavia alguns de Aser, de Manassés, e de Zebulom se humilharam e foram a Jerusalém. Também em Judá se fez sentir a mão de Deus, dando-lhes um só coração”. (vv 11 e 12) E o povo voltou a trazer seus dízimos e ofertas com fidelidade e liberalidade (31.4-12). Quatro meses depois havia sobra em abundância no meio do povo, e a história de Israel foi transformada (vv. 7 e 10).

Dê a Deus tudo o que ele pede em sua Palavra e receba de Deus tudo o que ele promete em sua Palavra.

Será a obediência capaz de mudar a minha história no meio desta crise?

Sim, não há nada que possa impedir a semente da liberalidade frutificar. Isto é, se estiver protegida com o defensivo da fidelidade.

Do terceiro mês ao sétimo mês na Palestina é uma época sem chuvas, o que fazia mais urgente a necessidade de armazenar mantimentos. Eles, no entanto, estavam falidos e só começaram um propósito de fidelidade justamente na véspera da seca. Até para quem se preparava para este período, era natural chegar ao fim da seca com os depósitos esvaziados. Entretanto eles começam na prova e terminam na bênção. Até Azarias estava contando o testemunho: “Desde que se começou a trazer à Casa do SENHOR estas ofertas, temos comido e nos temos fartado delas, e ainda há sobra em abundância; porque o SENHOR abençoou ao seu povo, e esta grande quantidade é o que sobra”. (2 Cr 31.10) Ezequias e todo o povo se alegraram por causa daquilo que Deus fizera para o povo, porque, subitamente, se fez esta obra.

No v.7 o texto diz que começaram a obedecer a palavra de Deus no terceiro mês hebraico (maio/junho), a ocasião da Festa de Pentecostes e da colheita dos cereais (Êx 23.16a) Tipificação do avivamento verdadeiro. O pentecostes de verdade sempre leva o povo à fidelidade. Do contrário é fogo de palha. E no sétimo mês acabaram (setembro/outubro), a ocasião da Festa dos Tabernáculos e da colheita dos frutos e uvas (Ex. 23. 16b) Tipificação da presença de Deus, o Verbo que se fez carne e habitou - do grego (σκηνοω) skenoo: “tabernaculou” entre nós, e vimos a sua glória. (Jo 1.14) Quem é fiel na crise, no final vê a Glória de Deus tabernaculando no lugar onde ninguém achava que Deus estaria. Ah! Para de graça meu irmão! Abra sua boca agora e dê um brado de Glória a Deus! Ele está segredando ao seu coração: “Fazei prova de mim”. (Ml 3.10)