P aulo não era pastor do tipo zelador de templo. Entendia que sua responsabilidade incluía cidades e povoados, onde houvesse almas. Tinha...

“A Bíblia não manda que os pecadores procurem a igreja, mas ordena que a igreja saia em busca dos pecadores”.


Paulo não era pastor do tipo zelador de templo. Entendia que sua responsabilidade incluía cidades e povoados, onde houvesse almas. Tinha visão de Reino. Entendia que o Espírito não loteia regiões geográficas, não nomeia exclusivos representantes e não deixa de trabalhar só porque um determinado grupo acha que já evangelizou toda uma região e diz que não há mais trabalho a ser feito. 
Como disse Billy Graham:

“- A Bíblia não manda que os pecadores procurem a igreja, mas ordena que a igreja saia em busca dos pecadores”

O líder de uma Igreja deve entender que não foi constituído líder na congregação, mas na cidade, no bairro ou comunidade onde está a igreja. Daí o dever de formar obreiros. Paulo não se preocupava se algum destes brilharia mais que ele no ministério. As igrejas que Paulo fundava ficavam bem alicerçadas, mesmo sem a sua presença, ele não era indispensável. Nas cidades que trabalhou, durante curto ou médio prazo, formou obreiros para que pudesse expandir a igreja em outras regiões. 
Se Paulo não formasse obreiros não teria chegado tão longe. Em 2 Tm 2.2 Paulo manda Timóteo fazer o mesmo, ou seja, formar novos obreiros: 

“-E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros.

Leia mais no livro digital: