S egundo R. N. Champlin, o termo hebraico traduzido como “louvor” mais comum na Bíblia é “ halal” , cuja raiz significa “fazer barulho”...

O louvor no Antigo Testamento sempre envolveu muito barulho e movimentos corporais.


Segundo R. N. Champlin, o termo hebraico traduzido como “louvor” mais comum na Bíblia é “halal”, cuja raiz significa “fazer barulho”, nesse caso, é uma referência aos sons proferidos pelas pessoas envolvidas como parte da adoração ao Senhor. Outra palavra hebraica traduzida como louvor é “yada”, associada a movimentos corporais que exprimem o louvor. Havia ainda a palavra “zamar”, indicava o louvor expresso mediante cânticos ou instrumentos musicais.
Hebreus 10.25 nos exorta a não deixarmos de congregar, como é costume de alguns. É claro que nossas reuniões devem glorificar a Deus, assim como todo o nosso dia: 

fazei tudo para glória de Deus”. (1 Co 10.31). 

Mas a motivação original de uma reunião é horizontal e não vertical. A reunião deve promover edificação do corpo: 

Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação”. (1 Co 14.26). 

Também deve haver proclamação eficiente do Evangelho às pessoas indoutas sobre nossa fé. (1 Co 14.23-24; At 4.13). Sem Proclamação e Edificação do Corpo, vamos simplesmente engrossar as fileiras dos religiosos que cultuam suas próprias tradições. 
João é enfático: 

Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” (1 Jo 4.20). 

E se nossa liturgia não comunica às pessoas, que podemos ver, vamos ficar achando que Deus, a quem não vimos, está contente? Tudo é para glória de Deus, mas o objetivo de nossas reuniões está claro no Novo Testamento: - promover a comunicação do Evangelho.

Continue lendo no livro digital: