Paulo falou de sua gratidão aos filipenses – O caixa missionário tinha recursos suficientes, não só para suprir os grandes projetos...

Porque algumas igrejas falam tanto de dinheiro?



Paulo falou de sua gratidão aos filipenses – O caixa missionário tinha recursos suficientes, não só para suprir os grandes projetos, como garantir o sustento de Paulo e seus companheiros por algum tempo. Lemos em Fp 4.17-18: 

“Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que aumente a vossa conta. Mas bastante tenho recebido e tenho abundância; cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a Deus”. 

Não é atoa que uma igreja tão pequena, debaixo de perseguição religiosa, numa época de transportes precários e meios de comunicação extremamente lentos, alcançou todo o mundo conhecido de sua época. O Senhor procura igrejas missionárias, para alcançar esta geração. Por isto Paulo pergunta aos Romanos:

“-E como pregarão, se não forem enviados? Assim como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas”! (Rm 10.15).

É interessante citar também a rica e próspera cidade de Corinto. Existiam inúmeros filósofos, e pregadores de diversas religiões em Corinto. Viviam como parasitas daquela sociedade. Paulo deixa claro que não era mais um aproveitador: 

“Outras igrejas despojei, recebendo delas salário, para vos servir; e quando estava presente convosco, e tinha necessidade, a ninguém fui pesado; porque os irmãos, quando vieram da Macedônia, supriram a minha necessidade; e em tudo me guardei, e ainda me guardarei, de vos ser pesado”. (2 Co 11.8,9)

O missionário ao chegar a um novo campo deve ter respaldo financeiro, até que a nova igreja atinja um estágio de maturação espiritual. Até que possa sustentar novos campos. Neste caso citado, a Igreja de Filipos na Macedônia se responsabilizou pelo salário de Paulo, para que nada tomasse da igreja de Corinto. Continue lendo em: UMA MISSÃO - DEUS CONTA COM VOCÊ - clique aqui